XXIX Encontro Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental 2020

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANALISE FUNCIONAL DE RELACIONAMENTOS ABUSIVOS: ESTUDO DE CASO DAS VARIAVEIS DE MANUTENÇAO

Resumo

Estruturas sociais, como o patriarcado, machismo, amor romântico e cultura da violência, tem sido cada vez mais questionadas como grandes coadjuvantes na construção de relacionamentos em que a mulher se submete a uma série de situações de dominação naturalizada que a deixa exposta à violência. Essas são práticas culturais que minimizam o abuso, reforçam o padrão de desresponsabilização do abusador e culpabilização da mulher, e, como consequência, dificulta a identificação da experiência vivida como uma forma de violência. Por mais óbvio que possa parecer a ideia de não permanecer em relacionamentos que tragam consequências aversivas às mulheres, esta decisão envolve variáveis cuja resolução apresenta grande complexidade. Então, baseado nos conceitos da Análise do Comportamento, esta pesquisa, apresentada para conclusão do curso de especialização no Centro Paradigma Ciências do Comportamento orientada pela professora Fernanda Castanho Calixto, teve como objetivo identificar as variáveis de manutenção presentes no relacionamento abusivo: como variáveis atuais, contextuais, controle aversivo, história de reforçamento, regras existentes e fatores culturais presentes no estudo de caso. Participou da pesquisa, logo após de assinado o Termo de Consentimento Livre Esclarecido (TCLE), uma mulher, 40 anos, assistente social, natural de Minas Gerais, casada há 18 anos, possuía dois filhos, uma de 15 e um de 18 anos. Foram realizadas 17 sessões semanais, com 50 minutos de duração, durante o período de 4 meses, todas transcritas e analisadas funcionalmente. Como resultado, foram extraídas e elaboradas as seguintes categorias de análise: variáveis de história de vida; intensidade no início do relacionamento; promessas de mudança dos comportamentos do marido; sentimento de culpa camuflado pela manipulação psicológica (abuso psicológico sutil); ciclo da violência; isolamento social; controle por regras, para compreender as variáveis de manutenção do relacionamento.

Palavras chave

relacionamento abusivo, violência doméstica, clínica comportamental, estruturas sociais

Minicurrículo do proponente

Psicologa clínica, graduada em psicologia pela PUCMG, curso de Formação de Terapeutas Comportamentais pelo ITCR - Campinas, especialização em Análise do Comportamento pelo Centro Paradigma Ciências do Comportamento - SP. Atuação como psicóloga parceira da Não Era Amor (relacionamentos abusivos), da Clínica Sentidos e consultório particular.

Perfil do público alvo

intermediário

População envolvida

Adulto

Área

Intervenção Clínica no Consultório

Instituições

CENTRO PARADIGMA CIENCIAS DO COMPORTAMENTO - São Paulo - Brasil

Autores

PAULA MEIRA SILVA PEREIRA