XXIX Encontro Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental 2020

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

A EFICACIA DO TREINO DE COMUNICAÇAO ALTERNATIVA EM UMA CRIANÇA TEA NAO VERBAL: UM ESTUDO DE CASO.

Resumo

Os indivíduos diagnosticados com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) podem apresentar dificuldades e atrasos na linguagem e comunicação que impactam no processo de interação e relação social. A fim de minimizar os danos, o uso de sistemas alternativos de comunicação para pessoas com autismo vem sendo registrado na literatura desde a década de 1970. A literatura indica que, para o desenvolvimento de habilidades comunicativas, pode ser utilizado o uso de figuras. Deve-se considerar a demanda, as preferências e a história de vida de cada um, uma vez que esse sistema é dinâmico e auxiliará o indivíduo não verbal a desenvolver habilidades comunicativas. Assim, o presente estudo consiste em um estudo de caso que tem por objetivo verificar a eficácia de 45 dias de treino de comunicação alternativa em um indivíduo com TEA não verbal, de 7 anos de idade. Foram realizados atendimentos domiciliares, em São Paulo, para o ensino de habilidades comunicativas. O procedimento utilizado foi dividido, inicialmente, em 2 fases. A fase 1 do procedimento de comunicação alternativa consistiu na troca de uma figura em branco por um item desejado. O treino foi realizado em 10 dias, quando atingiu o critério de aprendizagem. As duas semanas posteriores foram influenciadas pela alteração do medicamento do paciente, que reduziu o número de respostas e ocasionou mudanças comportamentais que fizeram necessária a realização do treino de maneira incidental. A segunda fase consistiu em continuar com uma única figura, variando o ambiente, pessoas e diferentes distâncias. Após 11 sessões, a criança atingiu o critério de aprendizagem, mantendo evolução constante. Foi possível observar o desempenho favorável no uso da comunicação alternativa por meio de troca de figuras, corroborando com o descrito na literatura. Faz-se necessária continuidade do estudo a fim de abranger as demais fases do procedimento.

Palavras Chave

TEA, comunicação alternativa, intervenção.

Minicurrículo do proponente

Pedagoga graduada pela Universidade Anhanguera. Especialista em psicopedagogia clínica e institucional e educação especial pela FAVENI. Especialista em Neurociência Aplicada a Aprendizagem pela USCS.
Pós graduanda em intervenção ABA para autismo e deficiência intelectual e Mestranda em Análise do Comportamento Aplicada pelo Centro Paradigma.
Extensão acadêmica em avaliação comportamental, conceitos básicos da ABA e procedimentos de ensino pelo Centro Paradigma.
Cursos em Análise Funcional de Comportamento e avaliação por meio do protocolo VB-MAPP. Capacitação e aprimoramento em ABA , gestão de comportamentos inapropriados e ensino naturalístico.

População envolvida

Indivíduo TEA não verbal.

Perfil do público alvo

Crianças dentro do espectro do autismo com déficit de comunicação.

Área

Intervenção Clínica no Consultório

Instituições

CLIA PSICOLOGIA, SAÚDE E EDUCAÇÃO - São Paulo - Brasil

Autores

Silvia Thomaz, Michelle Cristine Tomaz de Oliveira, Viviane Miranda Montagnini, Lucas Vasconcelos, Tauane Oliveira, Paula Gleysa Silva Conceição, Elisa Weingrill Castilho, Susana Rosa Lopes Barrios, Ana Paula Magosso Cavaggioni