XXIX Encontro Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental 2020

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

UM ESTUDO SOBRE O RECONHECIMENTO DE EMOÇOES EM EXPRESSOES FACIAIS NO TEA

Resumo

Compreender e agir adequadamente frente expressões faciais emocionais se configura como uma habilidade de extrema importância nas interações sociais cotidianas. Por isso são selecionadas e mantidas na prática de reforçamento da comunidade verbal. O comprometimento da discriminação de estímulos sociais e emocionais, adicionados com falhas na emissão de respostas de manter o contato visual com outra face, estão entre os déficits de comunicação e interação social dentro dos critérios diagnósticos do TEA. Assim, compreender contingências e treinos que favorecem o estabelecimento de repertório discriminativo de expressões faciais emocionais em indivíduos com TEA é de suma importância para ampliar as possibilidades de exposição a contingencias sociais nesta população. O presente trabalho tem como objetivo identificar os principais achados da literatura empírica sobre o tema do reconhecimento de expressões faciais na população com TEA. Para tanto foi feito revisão da literatura com foco nos termos autismo e ensino de expressões emocionais. Dentre esses estudos, a busca por estabelecer condições de generalização de reconhecimento para novas expressões se mostraram como os mais frequentes, sendo que entre estudos laboratoriais se observa um foco no ensino isolado de cada parte relevante de uma expressão facial emocional, e estudos em ambiente natural com uso de materiais em multimidia, videomodelação e histórias infantis. Sobretudo há um foco no ensino por videomodelação e histórias infantis. Estes últimos ofereceram melhores resultados na generalização das habilidades de reconhecimento de expressões no TEA leve ou moderado a partir dos 5 anos de idade. Estes dados tem mostrado avanços consideráveis para o desenvolvimento de tecnologias de ensino e aprendizagem, dessa maneira é possível visualizar implicações positivas no desenvolvimento do repertório de reconhecer expressões faciais para tomada de decisões nas contingências sociais.

Palavras chave

TEA, Reconhecimento de Expressões Faciais, Discriminação de Estímulos Sociais

Minicurrículo do proponente

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (2018). Mestrando em Psicologia na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. É psicólogo clinico do instituto de Análise do Comportamento Aplicada.

Perfil do público alvo

Crianças e adultos com falha na emissão de reconhecimento de expressões faciais emocionais.

População envolvida

Crianças e adultos diagnosticados com Transtorno do Espectro do Autismo.

Área

Transtorno do Espectro do Autismo

Autores

MITCHEL VILAR CARDENAS, LUCAS FERRAZ CÓRDOVA