XXIX Encontro Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental 2020

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

INTERFACES ENTRE A ANALISE DO COMPORTAMENTO E TEMAS SOCIAIS CONTEMPORANEOS.

Resumo geral

A Análise do Comportamento toma o comportamento humano e suas relações como objeto de estudo. Skinner, um de seus principais teóricos, dedicou parte de sua obra ao estudo de fenômenos sociais, convocando analistas do comportamento para a compreensão e intervenção ante a problemas sociais do mundo. Nesse sentido, tal área tem se dedicado a compreender como variáveis sociais e culturais têm influenciado o comportamento humano. As quatro apresentações dessa sessão, seguiram tais recomendações skinnerianas, numa tentativa de analisar fenômenos sociais sob a ótica analítico-comportamental. O primeiro trabalho buscou investigar como a Análise do Comportamento pode e tem contribuído para o estudo da cultura, para isso realizou uma Revisão Bibliográfica em periódicos de Análise do Comportamento. O segundo trabalho propôs uma interlocução entre as proposições analítico-comportamentais, a partir de uma visão skinneriana, e a pedagogia de Paulo Freire, no que diz respeito à educação. O terceiro trabalho objetivou estudar o fenômeno do tráfico de drogas por um viés análitico-comportamental, sob luz do conceito de Agência de Controle e de Metacontingência. O quarto estudo, mapeou considerações analítico-comportamentais sobre o fenômeno do encarceramento em massa, através de uma revisão bibliográfica em periódicos em Análise do Comportamento. Espera-se que as discussões abordadas na presente sessão possam auxiliar no desenvolvimento do arcabouço teórico da Análise do Comportamento, contribuindo para uma ciência comportamental voltada a compreensão e resolução problemas sociais relevantes, como a educação e segurança pública.

Resumo participante 1

Inicialmente os estudos em psicologia buscaram desvendar o funcionamento humano a partir do estudo da mente. Watson (1913) defendeu o comportamento humano como objeto de estudo da psicologia. Mais adiante, Skinner (1945) amplia esse escopo ao incluir os comportamentos privados em sua teoria. Ademais, Skinner (1981) postula que o comportamento é multideterminado, selecionado pela (1) história evolutiva da espécie, (2) história individual do organismo e (3) de variáveis sociais e culturais. A concepção desta última na determinação do comportamento ampliou as possibilidades de investigações das relações entre fenômenos comportamentais e culturais; sendo a cultura um conjunto de comportamentos de um grupo mantidos por contingências individuais e sociais que garantem a sobrevivência dele. Nesse sentido, esse trabalho busca investigar como a Análise do Comportamento pode e tem contribuído para o estudo da cultura. Então, realizou-se uma Revisão Bibliográfica nos seguintes periódicos de Análise do Comportamento: Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva (RBTCC), Revista Brasileira de Análise do Comportamento (REBAC), Perspectivas em Análise do Comportamento, Acta Comportamentalia, Behavior and Social Issues e Perspectives on Behavior Science; utilizando os seguintes descritores: “políticas públicas” OR “educação” OR “homofobia” OR “racismo” OR “violência” OR “feminismo” OR “corrupção” OR “política” OR “sustentabilidade” AND “análise do comportamento”. Os termos foram utilizados em inglês e português. Foram selecionados 91 artigos publicados em meios digitais até o ano de 2019. Os achados indicam para uma crescente produção em temáticas de relevância social, apontando ainda para contribuições no que tange à investigação e ao delineamento de práticas culturais. Por fim, espera-se que esse trabalho possa produzir informações para fomentar discussões acerca do papel do analista do comportamento para o estudo de fenômenos culturais.

Resumo participante 2

A educação está envolvida em diversos segmentos da vida cotidiana, diante da relevância tornou-se objeto de investigação de diversas áreas de estudo, como a Pedagogia e a Psicologia. No Brasil, o desenvolvimento inicial da Psicologia esteve atrelado ao de instituições formais de ensino. A Análise do Comportamento é responsável por diversas investigações com enfoque educacional. Assim, o presente trabalho visa propor uma interlocução entre as proposições analítico-comportamentais, a partir de uma visão skinneriana, e a pedagogia de Paulo Freire, no que diz respeito à educação. Para tal, foram examinadas as obras ‘‘Tecnologia do Ensino’’ (1968) e ‘‘Pedagogia do Oprimido (1968)’’ dos autores supracitados, respectivamente. Utilizou-se como método o Procedimento de Interpretação Conceitual do Texto (PICT) que se divide em quatro principais fases: levantamento dos principais conceitos, caracterização das teses dos textos, elaboração de esquemas e síntese interpretativa. Foram encontradas as seguintes convergências entre os autores: o conceito de política educacional como uma questão de planejamento cultural; a exposição minuciosa de variáveis relevantes no contexto educacional; o conceito de individualidade de cada sujeito no planejamento do conteúdo programático de ensino, e as semelhanças entre o conceito de liberdade para Skinner e o de libertação freireana. Já em relação às divergências, destaca-se: o conceito de revolução cultural para Paulo Freire concerne à uma educação eminentemente intermediada por humanos, e que vai de encontro a visão tecnicista defendida por Skinner, este último argumenta em favor da informatização no processo de ensino. Espera-se que os debates trazidos no presente trabalho possam contribuir no diálogo entre as visões de educação de Paulo Freire e Skinner, objetivando avanços nos campos teóricos educacional e psicológico.

Resumo participante 3

A relação do homem com substâncias psicoativas é bem antiga. Cada povo interagia com ela de uma forma diferente, possuindo diversos significados, como o uso para fins religiosos, ritualísticos e outros. Contudo, com o passar dos anos, líderes políticos começaram a travar uma luta contra as drogas, a famosa “Guerra às Drogas”. Os Estados Unidos da América foi o maior expoente na luta a favor do proibicionismo. O resultado de tal guerra é um aumento de violência, morte e do fortalecimento tráfico de drogas. Tal instituição é marcada pela crescente ascensão financeira e social dos seus membros, contando com código de ética bem delimitado, detalhando o que pode ou não ser feito, e quais punições são cabíveis para cada ato infringido, ficando marcada pelo constante uso da violência como modus operandi, seja no confronto com outras facções, com a polícia ou até mesmo na forma de punir seus membros. Ante ao exposto, o presente trabalho teve como objetivo estudar o fenômeno do tráfico de drogas por um viés análitico-comportamental. Mais especificamente, o sob luz do conceito de Agência de Controle e de Metacontingência. Utilizamos de métodos da pesquisa conceitual para guiar durante as análises. A interpretação indica que podemos sim compreender o fenômeno do tráfico de drogas dentro da perspectiva análise do comportamento. Isso decorre de todo poder e organização que eles possuem dentro e fora da localidade que estão inseridos. Podendo fazer um controle face-a-face, facilitando ainda mais sua consolidação enquanto agência controladora. Ademais, existe também todo processo de entrelaçamento de contingências em sua prática que resulta em um produto agregado. Este que é o responsável pela manutenção de tal prática cultural. Por fim, pretende-se com tal trabalho, apresentar e expor a discussão de uma temática tão relevante socialmente, além de expandir os fenômenos culturais que podem ser estudados pela ótica da análise do comportamento.

Resumo participante 4

O Brasil ocupava em 2016 o terceiro lugar no ranking de maior população prisional. A população carcerária chegava a cerca de 726 mil pessoas (entre homens e mulheres) privadas de liberdade, super lotando o sistema. Tais dados sugerem a necessidade do rearranjo de condições adequadas de encarceramento para aquilo que se propõe: a ressocialização. Assim, o presente trabalho tem como objetivo mapear as considerações analítico-comportamentais sobre o fenômeno do encarceramento em massa. Para tal, foi realizada uma revisão bibliográfica nos seguintes periódicos: Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva (RBTCC), Revista Brasileira de Análise do Comportamento (REBAC), Perspectivas em Análise do Comportamento, Acta Comportamentalia, Behavior and Social Issues, Perspectives on Behavior Science e Journal of Applied Behavior Analysis (JABA). Os critérios de inclusão para os artigos foram tratar da temática encarceramento em massa na perspectiva analítico-comportamental, independentemente da data de publicação ou método de pesquisa considerando produções na língua portuguesa e inglesa, utilizando os seguintes descritores: “encarceramento” OR “encarceramento em massa” OR “cárcere” OR “prisões” OR “presídios” OR “unidade prisional” OR “sistema prisional” OR “penitenciária” AND “análise do comportamento”. Em inglês: “incarceration” OR “mass incarceration” OR “prison” OR “prisons” OR “prison unit” OR “penitentiary” AND “behavior analysis”. Foram encontrados três artigos no periódico Behavior and Social Issues, um estudo no Perspectives on Behavior Science e outro no Journal of Applied Behavior Analysis (JABA). Os achados indicam uma escassa produção da temática na área, ausente em periódicos nacionais, com uma janela de tempo significativamente longa entre publicações. Diante disso, justifica-se a necessidade de produções que se dediquem a investigar como variáveis culturais estão relacionadas a questões sociais, como é o caso do encarceramento em massa.

Resumo participante 5

Minicurrículo do proponente

João Aristides Tomaz de Almeida
Graduado em Psicologia - Universidade Federal do Ceará (UFC-Campus Sobral)
Mestre em Teoria e Pesquisa do Comportamento - Universidade Federal do Pará (UFPA)
Membro do Laboratório de Comportamento Social e Seleção Cultural (LACS - UFPA)
Coordenador do grupo de pesquisa ''Culturantes: Ciência, Comportamento e Sociedade.''

População envolvida

Não se aplica

Perfil do público-alvo

Introdutório: estudantes e profissionais.

Área

Cultura

Autores

BRUNO TEIXEIRA SILVA, ELIAS COSME LACERDA FILHO , PEDRO LUCAS IMBIRIBA GUILHERME, MARIA CECÍLIA BONFIM DOS SANTOS, MARLI BRAGA CRUZ, FELIPE JOSÉ LIMA PAIVA, CARLOS ALBERTO COSTA DE SOUZA, JESSICA SOARES BRASIL, DANIELY ILDEGARDES BRITO TATMATSU , GABRIEL DA SILVA PEREIRA