XXIX Encontro Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental 2020

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

UMA DISCUSSAO SOBRE POSSIBILIDADES DE ANALISE FUNCIONAL DO COMPORTAMENTO EM INTERVENÇOES BASEADAS NA ANALISE DO COMPORTAMENTO APLICADA AO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

Resumo geral

O Transtorno do Espectro Autista tem sido compreendido como um transtorno do desenvolvimento de ordem neurobiológica e genética que afeta, em diferentes medidas e intensidades, as áreas da interação social, da comunicação, dos comportamentos e do funcionamento sensorial da pessoa. Mesmo apresentando diferentes níveis de comprometimentos no seu desenvolvimento, a pessoa diagnosticada com TEA tende a necessitar de intervenções terapêuticas por prazo indeterminado devido a apresentar um quadro sintomatológico de cronicidade importante. As intervenções mais indicadas, de acordo com estudos que apontam para evidências cientificas de eficácia no tratamento de pessoas diagnosticadas com TEA, são aquelas baseadas na Análise do Comportamento. Tendo em vista as possibilidades de relações organismo-ambiente, entendemos que ao ‘buscar’ compreender qualquer tipo de ação de uma pessoa, estamos em busca da identificação, descrição e intervenção (modificação do comportamento) de relações causais e funcionais entre o ato da pessoa e os produtos deste ato. Este é o princípio da análise funcional do comportamento, a qual subsidia estudos e intervenções Analíticos Comportamentais no campo de aplicação junto a pessoas Diagnosticadas com TEA. Com isso, propomos como discussão sobre as possibilidades da análise funcional do comportamento em três diferentes contextos: 1) Estudo e discussão de caso a partir da perspectiva da Análise Funcional por Contingência Sintetizada (IISCA); 2) Estudo e discussão de caso a partir de treino de implementação da análise funcional experimental do comportamento e; 3) Estudo e discussão de caso a partir de avaliações funcionais descritivas padronizadas e outras adaptadas empregadas em treino de profissionais de educação física para avaliação funcional e intervenções de comportamentos-problema de alunos com TEA. Em tais discussões buscamos a ampliação de conhecimento no campo da ciência do comportamento humano de possibilidades de identificação de relações causais e funcionais que favorecem as intervenções, baseadas na Análise do Comportamento Aplicada (ABA), junto a pessoas diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista a partir de diferentes e, possivelmente, complementares perspectivas acerca da análise de contingências comportamentais.

Resumo participante 1

Análise Funcional por Contingência Sintetizada (IISCA), um estudo de caso
Felipe Magalhães Lemos
Universidade Federal de São Carlos

A Análise Funcional de Comportamento é um procedimento que possui como objetivo identificar a função de um comportamento, ou seja, qual a condição sob a qual se mantém um determinado comportamento. Um dos modelos de Análise Funcional que tem obtido bons resultados é a IISCA (Interview-Informed Synthesized Contingency Analysis), que sintetiza as condições de testagem, através de uma entrevista (semiestruturada) em apenas uma sessão e realiza a avaliação em 25 minutos. Esse estudo relata um caso de aplicação do protocolo IISCA com criança diagnosticada com Transtorno do Espectro Autista, 4 anos, apresentando comportamento disruptivo com gritos, auto-agressão e mordendo objetos. O protocolo demonstrou que o comportamento ocorria através de uma função sintetizada do tipo de fuga de demanda para obtenção de atenção. Foi possível identificar o precursor de comportamento e posteriormente realizar um treino de comunicação funcional. O treino reduziu a ocorrência de comportamentos disruptivos frente a demanda em 95%. O resultado encontrado no follow-up, dois meses após o procedimento, foi de redução de 80%.

Resumo participante 2

Treino de implementação de procedimento de análise funcional experimental
Christiana Gonçalves Meira de Almeida
Universidade Federal de São Carlos

A Análise Funcional Experimental é considerada padrão ouro para avaliação das funções de comportamentos problema. Contudo, sua implementação requer treino cuidadoso por parte dos terapeutas que visam implementação desse procedimento. O presente estudo relata um treino de análise funcional de comportamento problema para uma equipe de quatro implementadoras. O treino foi composto de aula expositiva dialogada realizada por vídeochamada do celular, realização de exercícios teóricos e prática supervisionada. A parte prática consistiu de escolha, operacionalização e identificação do comportamento alvo dentre outros problemas de comportamentos apresentados por uma criança de 9 anos de idade com Transtorno do Espectro do Autismo. Posteriormente, foram realizadas oito sessões de simulação de análise funcional experimental nas condições de: 1) Fuga de demanda; 2) Atenção contingente ao comportamento inadequado; 3) Sem atenção e com brinquedos e 4) Controle: com atenção e brinquedos. Todas as sessões tiveram feedback de desempenho nas terapeutas. Ao final do treino foi conduzida uma sessão de cada condição com a criança em questão com 100% de acerto na implementação do procedimento.

Resumo participante 3

Treino de profissionais de educação física para avaliação funcional e intervenções de comportamentos-problema de alunos com autismo
Paulo Augusto Costa Chereguini
Modelo ExerCiência

A participação do profissional de educação física (EF) em equipes inter e transdisciplinares analítico-comportamentais voltadas ao tratamento do autismo têm aumentado em quantidade e efetividade no cenário nacional desde o ano de 2018. Os objetivos da atuação do profissional de EF têm ido além da promoção de gasto energético e inclusão em jogos e esportes por seus alunos. Partindo da definição dos objetivos terapêuticos particulares para o aluno pela equipe supervisora, o profissional de EF tem podido planejar e aplicar práticas baseadas nos princípios analítico-comportamentais, manipulando estímulos antecedentes e consequentes tanto para desenvolver habilidades–alvo quanto para reduzir comportamentos-problema definidos no plano de ensino individual. O presente estudo objetiva apresentar recursos tecnológicos que têm sido utilizados, resultados positivos e as lacunas operacionais identificadas no contexto de supervisão online de profissionais de EF para aplicação de avaliação funcional e manejo de comportamentos-problema de seus alunos com autismo em suas aulas. Avaliações funcionais descritivas padronizadas e outras adaptadas têm sido empregadas, bem com avaliações observacionais diretas por meio de gravações em vídeo. As estratégias para prevenção e intervenção de comportamentos-problema no contexto da EF têm envolvido a manipulação do exercício físico com função antecedente, com função de generalização e com função de intervenção direta para redução de comportamentos inadequados. Embora tenha havido avanços no treinamento de profissionais de EF para realizar avaliações funcionais, o desafio atual tem sido a consistência no registro sistemático de desempenho para análise dos efeitos.

Palavras Chave

Transtorno do Espectro Autista, Análise Funcional do Comportamento, Análise Funcional Experimental, Análise Funcional descritiva, Análise Funcional por Contingência Sintetizada

Minicurrículo do proponente

Possui graduação em Psicologia-Habilitação e Formação de psicólogos pelo Centro Universitário Padre Anchieta (2010). Mestre em Psicologia pelo departamento de Psicologia Experimental da Universidade de São Paulo - Usp (2013). Doutor em Psicologia pelo departamento de Psicologia Experimental da Universidade de São Paulo - Usp (2016). Membro do Laboratório de Interação Verbal e Construção do Conhecimento no departamento de psicologia experimental da Universidade de São Paulo.Atualmente é pós-doutorando no departamento de Psicologia Experimental do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo - Usp. É coordenador técnico no Centro Terapêutico-Educacional Potencializar (CETEP) em Jundiaí, São Paulo, Brasil.

População envolvida

Análise de casos de pessoas diagnosticadas com TEA

Perfil do público-alvo

Estudantes e profissionais interessados em intervenção Analítico Comportamental aplicada ao TEA

Área

Transtorno do Espectro do Autismo

Autores

Felipe Magalhães Lemos, Christiana Gonçalves Meira de Almeida, Paulo Augusto Costa Chereguini, Djalma Francisco Costa Lisboa de Freitas